Seu blog de Relações Públicas e Propaganda

Mostrando postagens com marcador merchandising. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador merchandising. Mostrar todas as postagens

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Merchandising! Será que isso está realmente errado?

Não é de hoje que o RP e PP fala sobre o que dá errado na comunicação, não por pirraça, nem por gostar de ver as marcas se estabacando, mas, para ajudar você, comunicador ou futuro profissional de comunicação a não cometerem os mesmos erros. Hoje, vamos falar de um problema (mais um, mais um, mais um!!!) que aconteceu com a marca Reserva. Poxa, mais essa!

A grande questão é: Será que isso está realmente errado? 

Após colocar em exposição os seus famosos manequins pretos (sempre foram utilizados nessa cor pela marca), de cabeça para baixo, a marca pendurou os seus manequins de ponta cabeça em suas lojas. Veja só!

Liquidação Mini Reserva

A foma de exposição dos manequins gerou uma revolta gigante nas redes sociais. Não vamos entrar aqui no mérito de perguntar: E se fossem manequins brancos? Realmente não é essa a questão! Existe uma coisa em comunicação que se chama "Distorção Seletiva". O que é isso?

Bom. "Distorção Seletiva" é a tendência de informações serem interpretadas de acordo com desejos, experiências, preconceitos e repertórios particulares. Dessa forma, o indivíduo reforça os seus preconceitos em vez de contrariá-los. Neste caso, ao passar por manequins pretos, as pessoas fazem alusão aos maus tratos, escravidão, preconceito racial, ou seja, tudo que existe de ruim em torno do assunto. 

A mensagem é clara!

Por mais que você diga que é errado fazer isto, que a marca errou por colocar algo tão "desapropriado" em exposição, a grande sacada é que não existe um ataque por parte da grife (não desta vez!). Talvez por já ter sido alvo de outras trapalhadas, o capital reputacional foi gasto e toda ação será encarada como uma forma de preconceito ou então, por ter como dono o apresentador Luciano Huck isso dê mais "IBOPE". Mas, uma marca preconceituosa? Como assim? 

Já parou pra pensar que a Reserva precisa vender? A mensagem "Liquidação Mini Reserva" é clara, também está de cabeça para baixo, até a aplicação da marca em alguns locais também se faz dessa maneira e os manequins são pretos desde sempre.

Poxa! Será que estamos vivendo numa era de chatices, moralismos, busca pelo politicamente correto e "Distorção Seletiva"?

Talvez tenhamos que rever o nosso jeito de olhar para as coisas e, definitivamente, sermos menos preconceituosos. Muitas vezes o preconceito não está na comunicação. Que tal pensar nisso?

domingo, 15 de abril de 2012

Congresso 4 em 1


Olá pessoal ligado no blog RP e PP! Com essa frase eu iniciava, ano passado, a postagem mais alegre que já fiz neste espaço. Era a satisfação de participar, pela primeira vez de um evento de comunicação com proporções continentais, já que o Congresso Mega Brasil de Comunicação é o evento de maior repercussão do setor na América Latina.
Ano passado, 2011, o Congresso Mega Brasil era 3 em 1 e já despertava uma enorme empolgação nos participantes, profissionais e estudantes, que iriam discutir temas que cercavam as atividades de comunicação, como: Comunicação Corporativa (14ª edição), Comunicação no Serviço Público (11ª edição) e Comunicação Digital (2ª edição). Esse ano, o "guarda-chuva" está completo com o Primeiro Congresso de Marketing na Comunicação Corporativa.

Clique e saiba mais.


A Comunicação é um dos P's do Marketing e ganha lugar de destaque nesse novo jeito de se fazer negócios e a oportunidade que se tem com esse encontro é muito grande. Na postagem que fizemos anteriormente, ano passado dizíamos que  "os congressos de comunicação são famosos não só por agregar soluções aos negócios de quem participa, mas também por aumentar a rede de relacionamento entre os profissionais da área, por isso a importância da participação dos players de comunicação".

Você pode de inscrever pra ficar sabendo de todas as novidades do Congresso, que em 2012 é 4 em 1, clicando aqui e também pode ficar sabendo de maiores informações no blog oficial do Congresso 4 em 1. Siga também o twitter oficial do evento @MegaBrasilO blog RP e PP também fará menções sobre o evento no @BlogRPePP, FanPage do Facebook e também neste espaço, então, fique atento!

Ouça também a Rádio Mega Brasil clicando no banner ao lado
►►►

quarta-feira, 14 de março de 2012

O Regime e a Comunicação


Algumas discussões assolam a sociedade no século XXI e são assuntos que vão muito além das redes sociais, das novelas globais, etc. Estou falando de uma necessidade da maioria dos seres humanos que vivem, hoje, na terra. Vamos falar da necessidade de fazer regime. Pode parecer algo bobo, mas o assunto pode dar pano pra manga, ainda mais se comparado com nosso dia a dia e, especialmente hoje o RP e PP fará algumas comparações do popular regime com a comunicação e, cremos que, vocês vão perceber que qualquer semelhança, não é mera coincidência.


Para que tenhamos organização na nossa discussão, vamos começar, logicamente, pelo começo. O Planejamento!
O Planejamento é o começo de tudo, nele, decidimos o que vai ser feito, qual caminho vamos percorrer, em quanto tempo. Nessa etapa, a pessoa ainda não pensou na execução e acha linda a ideia de emagrecer cinco quilos em um mês. (Cuidado para não "viajar" nessa etapa).
Na comunicação é exatamente igual. Neste nível verificamos quais são os públicos, a linguagem a ser utilizada, os players, o histórico do setor, quanto investir, orçamentos, retorno sobre investimento e o gestor acha linda a ideia de ter crescimento em vendas logo no segundo mês.
Quantas pessoas não tem uma prima ou uma tia que começa um regime toda segunda feira e pára na terça? Quantas empresas não possuem ótimos planejamentos e péssimos executores. 
Quando faço essa comparação, também quero dizer que não adianta entender tudo sobre regime (quantas calorias tem um pão, uma fruta, refrigerantes) ou saber sobre ferramentas de comunicação como ninguém (propaganda, merchandising, relações públicas), a execução é fundamental.
O regime bem feito não é aquele que te manda fechar a boca, nem a comunicação bem feita, é aquela que está na TV 24hs por dia. Isso quer dizer que temos que saber dosar. Comer de três em três horas em pequenas porções equivale a fazer um plano de mídia que não canse o público com sua mensagem, por exemplo. 
Seguir o cardápio pode ser comparado a pegar o que está escrito no plano de comunicação e fazer o que está escrito. Conseguir emagrecer pode ser comparado ao atingimento da meta, satisfação do cliente, aumento das vendas, ganho de imagem...
Feitas essas comparações, chegamos à conclusão de que não adianta fazer regime só para parecer bonito, ou como diria a minha mãe, parecer "esbelto". 
Deve existir uma preocupação com a saúde, bem estar e qualidade de vida, para que seu corpo aguente o dia a dia, ature os resfriados, viroses, etc. 
Fazer comunicação também não é só pensar em parecer bonito para o público, é construir imagem perante os mesmos (imagem positiva) e ser cuidadoso no que diz respeito à saúde da empresa, para que a corporação aguente o dia a dia, ature as pequenas e as grandes crises. 


Como diria aquela propaganda de Shake: Emagreça com saúde!


Siga-nos no twitter 
Curta nossa página no Facebook, clicando aqui!



segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

A adolescência e suas "Relações Públicas"



Não faz muito tempo que saí da adolescência, talvez seja por isso que o assunto veio tão quente e legal de se falar na minha mente e  também creio que não exista exemplo melhor para se falar de imagem e suas vertentes. Digo isso pelo simples motivo do adolescente buscar incessantemente uma posição em algum lugar e dentro de qualquer grupo, ou seja, esse indivíduo procura ser aceito o tempo todo, não somente pelos amigos, mas, em todos os níveis de convivência.


Na escola, por exemplo, os grupos já se formam dentro da sala de aula, com os populares grupos do "fundão", os "nerds" que sentam na frente, as meninas "patricinhas",  os chamados "playboyzinhos", os "pegadores" os "matadores de aula", os "barra pesada" os "atletas da sala" (que sempre formarão o time da interclasse), e por aí vai. 
Perceberam quantas divisões nós temos quando somos adolescentes? Talvez seja por isso que encontrarmos dificuldades de nos posicionarmos e formarmos uma identidade e, por consequência, encontramos a dificuldade de passarmos uma imagem. 


O adolescente sofre com sua própria identidade ou com a falta dela, de formar uma personalidade e de se posicionar. Isso também acontece com as empresas, sejam elas novas ou antigas. Algumas tem dificuldades de se posicionar e mostrar qual o seu diferencial competitivo e assim como o adolescente, as empresas precisam encontrar qual o seu grupo e, às vezes, isso demora a amadurecer.


A adolescência, por si só, traz essa imagem de confusão, de busca de pertencimento a algum grupo, de idealismos que se modificam, de desespero em se mostrar seguro enquanto se é o mais inseguro dos seres. O adolescente trata seus stakeholders à distância, pois, deixa uma margem para seu próprio conhecimento e, seu manual de crise, contempla quartos fechados, internet, muitos xingamentos no twitter, a busca de memes que representem um estado atual, a busca de likes na vida real, alguém que os entenda em alguma parte. 

Essa última parte pode até ter cheirado poesia, mas é a pura verdade! Precisamos sempre buscar um meio termo entre duas ou mais partes, procurar nos entender com nossos públicos de uma maneira harmoniosa e direta, de maneira a aproximar nossos vínculos e isso não é nada fácil. Não estou generalizando e nem mesmo querendo dizer que toda pessoa nessa faixa etária é problemática, mas, o adolescente se fecha muito em seu mundo e na busca incansável de tentar entender o outro e acaba esquecendo que ele tem que ser participativo com ele mesmo, conhecer a si próprio, ser "Relações Públicas" dele mesmo.


E nós nem falamos das espinhas!
Curta nossa página no facebook clicando aqui
E opine aqui no blog...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

A arte de insultar de Rafinha Bastos



Não é de hoje que o comediante, humorista e encrenqueiro Rafinha Bastos está na mídia por causa de suas piadas. O título desse post faz menção ao título de seu espetáculo solo e ao título do DVD que estava sendo comercializado. Rafael Bastos que está afastado, ou já foi demitido do CQC (ninguém sabe), parece gostar de viver perigosamente e levanta ainda mais a bandeira do humor sem limites, a começar pela piada feita com a cantora Wanessa e seu filho. Eu mesmo já havia colocado minha opinião nas redes sociais sobre o assunto, disse até ter visto a piada ao vivo, no tal programa de segunda, e confesso que passei batido, não achei engraçado, nem sem graça, mas achei a cara dele!


O artista, aproveitou a deixa, como todo bom piadista, e logo tratou de postar na internet, fotos, vídeos e twitts, falando da sua vida de "desempregado", o que lhe rendeu ainda mais notoriedade, para alguns uma notoriedade positiva, para outros, nem tanto. Rafinha lançou seu DVD e estava comercializando até ser barrado pela justiça por conter piadas ofensivas aos deficientes mentais. Rafinha disse:  "Usei camisinha com efeito retardante e tive que internar meu pênis na Apae. Tá completamente retardado hoje em dia". A APAE (Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais), moveu ação que determinou a retirada do material à venda em até 20 dias, mas o humorista, nada satisfeito, em um golpe de inteligência ou loucura, decidiu distribuir o mesmo para a população de graça, uma ação que lhe rendeu mais um viral e mais notoriedade. Entendem o que eu quero dizer???


A sociedade brasileira torna famoso, notável, importante, tanto quem se adora, quanto quem se odeia. A população e as autoridades dão tanta importância ao humorista Rafael Bastos, que o mesmo se aproveita das diversas situações que surgem, pela inteligência que tem, para se tornar ainda mais famoso, ainda mais influente, ainda mais notável. Esse parágrafo pode até estar parecido com algum texto de Arnaldo Jabour, mas e a pura realidade. Ninguém dá importância para quem fracassou ou errou e ninguém perde seu tempo, a não ser o TV Fama, para famosos quase anônimos, e o Rafinha, não é um fracassado se olharmos do ponto de vista da notoriedade que ele consegue a cada dia, e odiado ou não, ele carrega uma legião de pessoas que acreditam nele, por tudo que ele faz. Então, se a imprensa brasileira, o governo, as pessoas nas redes sociais, todo mundo, parar de canalizar suas forças contra um piadista de mal gosto e passar a se preocupar com outras questões, teremos um país mais justo.


Comunicação em Pauta (Case)


O fato do artista ser perseguido pela imprensa e formadores de opinião acaba sendo positivo se olharmos a construção de imagem que o mesmo pretende. Existem outras dezenas de humoristas que são tidos como bons imitadores, outros são apontados como ótimos improvisadores, alguns são exímios "causistas" e piadistas, mas a perfeita construção de imagem feita pelo artista em questão, o torna único e importante, o transforma em revolucionário e corajoso, o fazem de gênio, e todo gênio é incompreendido. Você que está lendo este post pode até discordar dessa análise, mas me diga: Você acha que os shows do Rafinha diminuíram? O público ficou menor em suas apresentações? Ele está passando fome? A resposta é não! Ele faz mais sucesso a cada dia pela importância que muitos dão a ele... e ele está coberto de razão.

Segue o vídeo para que você tire suas conclusões:






sexta-feira, 25 de março de 2011

Poluição



Não é de hoje que convivemos com poluição, seja com o lixo, seja com os sons ou com o próprio merchandising.
Nos centros das cidades do país inteiro, encontramos uma "muvuca" que é natural do varejo brasileiro, muito bem acompanhada de barulho e sinalizações, tudo para chamar a atenção do público que por ali passa.

Mas sempre existe um ponto que ultrapassa o limite da estética, esta, que é ditada pelo bom gosto, pelo espaço e principalmente pela quantidade de informações.



Assim como a poluição comum, de lixo, que é feita pelo homem e causada por utilização acelerada de recursos, a poluição visual e sonora também é produzida pelo mesmo homem (não específico) e não existe o cuidado com sua utilização.


Interior
Em Uberlândia (MG), foi aprovada em primeira e segunda discussão, a lei que proíbe merchandising no centro da cidade e algumas localidades no entorno central com o objetivo de diminuir a poluição, tanto visual, quanto sonora, com a proibição de carros de som e até mesmo cultos religiosos, que devem ser encerrados até às 22hs.


Grandes Centros
Em São Paulo, uma lei parecida foi aprovada em 2006, onde ficava expressamente proibida a utilização de painéis, front e back light, propagandas em ônibus, táxis e até mesmo em bicicletas em um projeto de lei chamado "Cidade Limpa".

Prefeito Gilberto Kassab (SP)

Questionamentos

Esse tipo de merchandising realmente chama a atenção, a ponto de fazer o consumidor decidir o que, quando e onde comprar?
As leis são rigorosas, válidas e servem realmente para melhorar a qualidade de vida das pessoas?

Esse tipo de merchandising feito no PDV, com certeza é barato e possibilita a utilização em grande quantidade. A proibição talvez force a utilização da inteligência competitiva, no que diz respeito a encontrar uma saída ainda mais barata e que traga resultados mais satisfatórios. 
Porque não fazer o uso de outras ferramentas para sinalizar melhor um produto? Utilizar o marketing de guerrilha para ações com baixo custo e de alcance considerável ou até mesmo as redes sociais.
Com certeza temos um número enorme de possibilidades, maiores do que as proibições, basta estudar a melhor opção.


Voltando "devagarinho" - Como diria Martinho da Vila


sábado, 2 de outubro de 2010

Tipp-Ex. Mais uma bela ação no Youtube!

Sobre o Tipp-Ex
O Tipp-Ex é uma marca de corretivos muito conhecida na Europa. Fundada em 1959, tornou-se sinônimo de material corretivo para escrita.
Esta ação que corre o mundo todo pelo site de busca de vídeos Youtube, é sucesso por ser interativo. O vídeo mostra o dilema de um caçador sobre uma questão que percorre uma veia humanitária.

A questão é...

O Caçador mata ou não o urso!

Vejam nas imagens...


O vídeo começa com o caçador tranquilo na sua cabana...



De repente, um grade urso aparece fazendo com que o caçador empunhe sua arma...


Daí vem a pergunta: atirar ou não atirar no urso?

Dica: escolha não atirar se você tem compaixão e para continuarmos a brincadeira...




 Escolhendo a opção de não atirar, você será redirecionado para um outro vídeo... 



 Neste outro vídeo o caçador utilizará o corretivo Tipp-Ex para apagar algo...



Apagará a palavra SHOOTS original do vídeo e dará opções para você fazer o que quiser...



Aí vão algumas opções...

Você pode escolher a opção de amar o urso...


 Ou ainda dormir no colo do urso...



 Existe uma gama imensa de opções para se divertir, e a que não for encontrada, uma mensagem de erro bem diferente irá aparecer...


Realmente é uma ação interativa e inteligente que deve ter dado trabalho para ser realizada, mas que valeu a pena, já que os acessos não param de crescer.
 Já é sem sobra de dúvidas um dos canais mais acessados do Youtube. 
Mesmo sem utilizar o corretivo Tipp-Ex, você se lembrará dele!!!

Faça o teste você também!

Não mate o urso!!!
Postagens mais antigas Página inicial

Copyright © RP e PP | Traduzido Por: RP e PP

Design by Maurity Cazarotti | Blogger Theme by RP e PP

}); //]]>